O DRACONIANO DEUS YAHWEH (22 de Novembro 2017)

O DRACONIANO DEUS YAHWEH

Seu presente sistema de crenças talvez não seja a válvula de escape que irá dissolver o entranhado absolutismo, que defende a qualquer custo aquilo em que se acredita sem ao menos questionar suas doutrinas. Poderíamos julgar nossa percepção individual como algo legitimo? Ou nos serve acreditar em algo que ecoa sob nossas cabeças, convictos apenas no que julgamos ser verdadeiro? A muitos anos atrás, era possível analisar crenças ligadas à Deuses serpentes. E que geralmente a serpente era um réptil associado há Terra.

E que no mito da criação de Gênesis, existem duas invenções, podendo ser observado por uma crível mutação genética entre eles. O primeiro Adão ou Adam אדם é criado a imagem e semelhança de seu criador em Gênesis 1; 27 que descreve-o contendo uma forma humanoide:

Vayverá ויברא – E criou – Elohim אלהים – Deuses –  Et את ha Adam האדם – aos seres humanos –  bêtselemo בצלמו  – a sua fotografia – bêtselem בצלם – a sua imagem Elohim אלהים – os Deuses – bará ברא – criou – Otô אתו – os fez – zakar זכר –  macho vê neqevah ונקבה – fêmea.

“E criou Deuses aos seres humanos à sua imagem e semelhança – ou o processo de reproduzir algo idêntico a sua forma – a imagem dos Deuses os fizeram criar em macho e fêmea.”
Obviamente que o hebraico não é uma linguagem ou ivrit (idioma) podendo ser análoga à língua portuguesa, uma vez que a tradução do hebraico para o português PT ou BR é apenas uma aproximação destes princípios particulares.

De fato, podemos enxergar Deuses como representantes da criação no contexto original e não Deus. 


A raiz hebraica Elohim אלהים estando no plural é traduzida de forma singular pela versão corrigida e atualizada na linguagem de hoje. Isso é uma enorme ``venda`` cegante aos olhos da crença!


Entretanto, a palavra ``Deus`` no singular, está ligada a raiz El אל ou Elohi אלהי sendo a adição da letra final men ם ao final da palavra, formando o plural de Deuses e não Deus no singular. Concebendo neste caso, possíveis defraudações nos escritos da Bíblia a qual muitos julgam sagrado, que sugere algo inalterado e não genericamente traduzido na plataforma “corrigida” da atualidade.


Observemos agora o contexto de Gênesis 2; 7 que dá a seguinte manipulação de Adam sendo agora um novo organismo protoplasto:


Vêyyatser וייצר – E formou – YHWH יהוה Elohim אלהים – Deuses com o Cosmocrator  –  Et  ha Adam את האדם  – ao ser humano – afar עפר – poeira – min ha adamah מן האדמה  – porção terrestre – vaypach ויפח  – e soprou – beapayv באפיו  - em suas narinas –  nishemat נשׁמת – o fôlego – chaym חיים – das vidas – vahery ויהי – e foi feito – ha Adam האדם – o ser humano – lê nefesh chayah לנפשׁ חיה  – animal em pessoa da vida.

“E formou Deuses com o cosmocrator YHWH ao ser humano da poeira terrestre e soprou em suas narinas o fôlego das vidas, e assim foi feito o animal homem contendo uma personalidade vivente”

É interessante que a palavra “lê nefesh chayah” חיה לנפשׁ em hebraico esteja voltado ao nosso Eu animal, justificando de fato o nosso lado mais primitivo. Dessa maneira, é possível constatar através do mito de Gênesis, que os seres humanos foram uma espécie de hibritizações feitas a partir da engenharia genética. Uma parte protoplasto viva dos vegetais e animais inseridas no próprio Adam bíblico, não sendo autorizado á consumir da árvore dos Deuses, que era a árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. 





A árvore do Conhecimento do Bem e do Mal que em hebraico עצ דעת טוב ורע transliterado Ets Daat Tov vê Raa era propriedade das Divindades Elohim אלהים. E não era permitido ao animal homem criado, agora contendo uma personalidade, a tocar no fruto daquela árvore, que não era propriamente uma árvore contendo maças maravilhosas a vista, assim como é destacado nos mantos de Gênesis, porém, a árvore se referia ao próprio organismo humano, que veio a transcender sua primeira forma ancestral a partir do Conhecimento, convertendo-os em Deuses no Gênesis 3; 22.

Vayomer ויאמר – E declarou – YHWH Elohim  יהוה אלהים – Deuses com o Cosmocrator  hen הן – eis (que) – haAdam האדם – o ser humano – hayah היה – agora – kechad כאחד – é como um – mimenu ממנו – de nós – lêdaat לדעת – conhecendo – tov טוב – bem – vêraa ורע – e o mal.

“E declarou o Cosmocrator YHWH com os Deuses: Eis que agora o ser humano é como um de NÓS (plural), conhecendo o bem e mal”

Nessa parte de Gênesis, há uma coerência muito relativa com a serpente do Éden, visto que foi através d’la simbolicamente que o homem veio a despertar de sua primeira forma animal, haja vista que no reino animal, não se distingui a possibilidade da nudez e nem se envergonham de estarem naturalmente nus perante sua alimária característica, pois são seres inconscientes que respondem apenas ao instinto de seu âmbito animalesco. Diferentemente da Consciência, agora desperta no homem, cria-se o desafeto do inconsciente animal que começa fazer agora a acepção do que é o bem e do que é o mal, no qual introduz a capacidade de reagir o que antes era vinculado e dependente de sua própria natureza. E é exatamente isso que acontece após essa nova Consciência inserida em Adão e Eva no jardim do Éden:

“Então os olhos de ambos se abriram, e perceberam que estavam nus” Gênesis 3;7


Será que nossas características supostamente reptiliana são realmente o produto de engenharia alienígena? Segundo a proposição de David Icke e suas pesquisas que revigoram no mito de Gênesis 3; 22 está falando simbolicamente de um ponto em que a genética humana sofreu uma alteração e uma manipulação genética. Isso de fato é recorrente ao termo para serpente em assírio “nesu” ter o significado como “aquilo que troca de forma”. O que nos revela uma forte evidencia acerca do Cosmocrator YHWH יהוה do Universo e seus ajudantes na criação chamados Elohim אלהים, os Deuses da Bíblia, terem esse tipo de personalidade, sendo répteis  draconianos.

Qualquer agnóstico por mais cético que for, pode julgar estas evidencias uma mera coincidência, mas, cadê o desmembro da razão se isso é pertinente com os fatos?

A anatomia da epiderme mais ríspida humana é semelhante aos dos répteis. Contra isso? Eu posso está ficando louco.


Porém, existe explicação do porque possuímos o fator réptil cerebral ou complexo réptil responsável por mais de 90% em tudo o que ocorre em nosso corpo? Somos de fato um modelo reptiliano criados a imagem e semelhança de suas Divindades?


Isso, só é um aperitivo que irá descortinar nos encontrados rolos do mar morto na década de 1940 a 1950 nas cavernas do Qumran. E que por mais que existam muitos entusiastas da ufologia, falando acerca dos reptilianos, que são uma classe dominadora agindo por trás da elite global, gerando aquele alvoroço sensacionalismo para dá ênfase em suas teses, muitas das vezes, até mesmo inspiradas por “canalizações”, que é aquela velha manobra exibida no espiritismo, há registros apontados na Bíblia, que são o conjunto de manuscritos que descrevem YaHWeH ou YHWH יהוה hebreu, contendo uma forma terrivelmente draconiana – réptil, o Deus de Israel, adorados por muitos fies no ocidente como Jeová ou Jehovah.

Pode até parecer estranho aos fiéis de sua religiosidade; neste caso, a crença é a melhor companheira para vendar as evidências comprovadas através dessa pesquisa. Porém o Torah תורה, que compõe os cinco livros sagrados pelos judeus – yahudim ou o Pentateuco bíblico, quanto ao Tanakh תנך livros que compõe o Antigo Testamento, descrevem a forma de sua Divindade contendo a devida semelhança de um mostro draconiano.

Lembremos dá figura do mesmo Draco dos atenienses que retrata um personagem legislador de leis quanto aos ditadores Chitauri dos sábios Sanusi zulus que possui a mesma igualdade de seus Deuses contendo a forma reptiliana e agora, o Torah תורה que significa leis, apontamentos, ordens e preceitos draconianos.


No livro de Tehilim תהילים que transliterado para a língua portuguesa é Salmos, o salmista Davi descreve uma figura explicitamente draconiana:


“Das suas narinas subiu fumaça, e da sua boca saiu fogo devorador; dele saíram brasas ardentes”. Salmos 18; 8


Leia atentamente ao verso de Salmos e perceba a exata interpretação de sua divindade, o YHWH יהוה Cosmocrator. Não parece a descrição de uma criatura draconiana presente nas mitologias?

Onde que uma divindade imaginada pelos fiéis como sendo um Senhor, ancião de dias, exibindo cabelos como a neve e de tamanho esplendor, iria expor fumaça pelo nariz e fogo pela sua boca? Isso é literalmente a descrição de um Draco!


Em Yeshayahu ישׁעיהו que translitera ao livro de Isaías, o YHWH יהוה Cosmocrator possui a mesma identidade propagada pelo salmista Davi, que descreve-o de forma semelhante:


“Eis que o nome do יהוה vem ardendo na sua ira e lançando espessa fumaça; os seus lábios estão cheios de indignação, e a sua língua é como um fogo consumidor” Isaías 30; 27


Ao se apresentar a Moshe משׁה ou o Moisés da Bíblia, o profeta pareci ter sido surpreendido por uma figura terrível, que até mesmo temeu olhar para ele:

“Disse mais: Eu sou o Elohi אלהי de teu pai, o Elohi אלהי  de Abraão, o אלהי Elohi  de Isaque e o Elohi אלהי de Jacó. Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para El haElohim אל האלהים” Êxodo 3; 6



O termo “El haElohim” acima, descreve a seguinte interpretação: “o Supremo entre os Deuses”. O que na versão corrigida é dito “porque temeu olhar para Deus”. Teria visto Moisés um terrível ser Draconiano?

“Então eu disse: Ah יהוה como enganaste completamente este povo e a Jerusalém dizendo: ‘Vocês terão paz’ quando a espada está em nossa garganta” Jeremias 4; 10


Deus da paz e do amor? Onde?

No berço da civilização localizado na África, havia entre os sábios zulus chamados Sanusi, significando “portador da luz” ou  “conhecedor”, a identidade de seus Deuses serpentes como Chitauri, a acepção de “ditadores” em zulu segundo o credo Mutwa.

A palavra ditador, geralmente está conceituando a severidade, a rigor, a rigidez, dureza quanto há flexibilidade para retidão. No entanto, os atenienses descreviam os aspectos de um ditador como sendo um “Drakon”, que quer dizer literalmente “dragão” ou “serpente”.


O primeiro código de leis escritas em Atenas na Grécia, foram realizadas por um legislador chamado Draco. Coincidência?

Na mitologia Fijiana, Degei é o Deus cobra responsável por julgar as almas, porém, apesar do ato de julgar ter a mesma relação com o sentido draconiano, revela muitas semelhanças entre as demais lendas que se destacam entre a religião quanto na mitologia.


Segundo a crença Fiji, o Deus Degei chocou um ovo do qual o primeiro homem veio a Terra. 

Se filho de peixe, peixinho é, consequentemente filho de cobra é solitário, pois, o filhote deste réptil é um animal independente, vive sozinho desde o nascimento.


No entanto, isso se relaciona ao mito de Adão e Eva, devido há existência de uma ciência chamada Qabalah, integrando elementos que remontam uma arte mística esotérica. A Qabalah é composta por três referências, são estas: notaricon, gematria e temurah. Uma das mais importantes é a gematria de Adão, em hebraico אדם transliterado “Adam”; onde seu resultado revelará o que os avanços científicos, através da teoria da evolução vem transparecendo acerca da transmutação das espécies, sendo que a classe dos mamíferos se desenvolveram dos repteis a aproximadamente 70 milhões de anos. Já Adão ou Adam אדם no caso, possui um valor omitido em seu código elementar, que o transfigura sob seu personagem:

א = 1 alef

ד = 4 dalet
ם = 40 final men
1+4+40 = 45 (4+5 = 9) ou 1+4+4 = 9
O número 9 segundo a tabela numérica hebraica é o valor que corresponde a letra teth ט. Cada letra contém um intimo significado, juntamente com o seu resultado. Sendo a letra teth ט o mesmo que serpente:



Direitos Autorais:

Fonte: http://acceptneo101.blogspot.com.br/2017/11/o-draconiano-deus-yahweh.html?m=1

Nenhum comentário